Produção de vinho: entenda como funciona uma vinícola

Giampiero Rosmo
Giampiero Rosmo Giampiero Rosmo
4 Min Read

Seja ele branco, tinto ou rosé, o vinho continua sendo uma das bebidas mais consumidas em todo o mundo. Com o passar dos anos, a vinificação (ou seja, a transformação das uvas em vinho) passou por inúmeras mudanças e evoluções. No entanto, alguns processos ainda seguem sendo essenciais na fabricação da bebida.

Por esse motivo, separamos para você as principais etapas que devem ser seguidas na produção de vinho. Confira!

Produção de vinho
Do plantio das uvas até o vinho chegar às nossas taças, existe um grande número de processos bastante delicados, que devem ser realizados com cuidado para garantir uma bebida de qualidade como resultado. Basicamente, as etapas mais importantes na produção de vinho e comuns a qualquer vinícola são a plantação das uvas, o processo de controle de qualidade, a fermentação da bebida e, enfim, o seu engarrafamento.

Vale lembrar que algumas fases desse procedimento podem variar e apresentar diferenças dependendo do vinho (tinto, branco, rosé, espumante, etc.) que se pretende criar.

Plantio das uvas
Não existe um bom vinho sem boas uvas. Por causa disso, a plantação das uvas é um dos mais importantes na produção da bebida. São inúmeros os fatores que podem influenciar nessa etapa: condições climáticas, qualidade do solo, método de cultivo, seleção do tipo da uva, entre outros.

É fundamental que a colheita seja realizada no tempo correto, já que a uva exerce grande influência no sabor e na qualidade da bebida. Uma colheita antecipada pode resultar em um vinho com pouco álcool, aguada; já uma colheita tardia pode originar uma bebida bastante alcoólica, mas com baixa acidez.

Controle de qualidade
Após o plantio, é necessário aguardar o ponto correto das uvas para a hora da colheita, que pode ser feita manualmente ou por meio de máquinas que aceleram o processo. Depois de colhidas, as frutas vão para a adega para um processo de seleção: o controle de qualidade.

Essa etapa nada mais é do que a separação das uvas que não estão boas o suficiente ou que possam ter estragado durante o cultivo para que elas não alterem o sabor da bebida. Nessa etapa, elementos como folhas e hastes também devem ser removidos, ficando apenas as frutas ideais para a produção do vinho.

Fermentação
Após as uvas serem maceradas, ocorre a fermentação alcoólica da bebida, que é quando o açúcar da fruta se converte em álcool. Nesse momento, é essencial que os produtores estejam atentos a uma série de detalhes (como temperatura, duração do processo, oxigenação e contato com o ar) para garantir que o vinho resultante tenha as características desejadas. A fermentação alcoólica costuma durar de quatro dias a uma semana.

Engarrafamento
Passada a fermentação, há a etapa da maturação do vinho: inserida em tonéis ou barris, a bebida deve descansar de forma lenta e gradual, ganhando suas características próprias, já que a interação do vinho com a madeira irá conferir novos aromas e sabores para a bebida.

Por fim, quando o processo de maturação do vinho chega ao fim, é hora de engarrafá-lo e colocá-lo à venda.

Compartilhe esse Artigo
Deixe um Comentário