Entenda o que são vinhos tranquilos

marielly Colombo
marielly Colombo marielly Colombo
6 Min Read

O mundo dos vinhos é repleto de terminologias que, por vezes, podem causar dúvidas para aqueles que estão começando a conhecer esse nicho interessante e complexo. Um bom exemplo é o uso do termo “vinhos tranquilos”. Afinal, ao que ele se refere?

Se você é uma das pessoas que já se perguntou “o que são vinhos tranquilos?”, continue a leitura deste post para entender melhor a questão e descobrir como essa categoria se diferencia de outros rótulos, como os espumantes. Vamos lá?

Afinal, o que são vinhos tranquilos?
Vinhos tranquilos, essencialmente, são aqueles que passam por um processo de fermentação natural e não possuem gás carbônico em sua composição final. De maneira geral, as bebidas da categoria contam com graduação alcoólica que varia entre 7% e 15%, a depender do tipo do vinho.

Outro ponto importante é que os vinhos tranquilos não passam por processos de adição de aguardente vínica – como acontece com os vinhos fortificados, bebidas licorosas que possuem teor de açúcar elevado e graduação alcoólica em torno de 20%.

Quais são os tipos de vinhos tranquilos?
Como mencionamos, os vinhos tranquilos são aqueles que não possuem borbulhas e não passam por processos de fortificação. São eles os vinhos brancos, rosés, tintos e vinhos laranjas.

Além disso, os vinhos tranquilos podem ser categorizados como finos — produzidos com castas vitis viníferas — e vinhos de mesa —, elaborados com outras variedades de uvas ou espécies híbridas.

Vinho branco
O vinho branco pode ser elaborado com uvas vitis labruscas (levando o nome de vinho de mesa) ou vitis viníferas brancas ou tintas. No segundo caso, há uma etapa anterior à maceração (esmagamento dos frutos para obtenção do mosto), que é o desengace. Ela se faz necessária para retirar as cascas da fruta, uma vez que o contato do líquido com a pele do fruto confere a coloração avermelhada à bebida.

Os rótulos da categoria costumam ser leves e com acidez presente, ou seja, são bastante frescos e fáceis de beber. As notas frutadas cítricas e, por vezes, de especiarias, como baunilha e ervas, também podem ser identificadas nos vinhos brancos.

Vinho rosé
O vinho rosé, como o nome sugere, possui coloração que varia entre o rosado pálido até tons mais intensos, dependendo dos métodos de produção aplicados. Eles podem ser produzidos com uvas tintas e brancas; assim como os brancos, são bebidas leves e refrescantes, ideais para consumo em dias quentes.

Vinho tinto
Vinhos tintos são elaborados a partir de uvas tintas e possuem a coloração característica em vista do contato do mosto com a casca da fruta. Isso também faz com que o líquido apresente concentração de taninos— polifenóis presentes na pele do fruto — que variam de acordo com a casta utilizada.

Um pinot noir, por exemplo, apresenta tanicidade baixa, enquanto um tannat é mais encorpado e concentrado em taninos. De maneira geral, são ótimas escolhas para saborear no inverno e harmonizar com pratos mais intensos em sabor, como carnes vermelhas — mas tudo isso vai depender do rótulo escolhido!

Vinho laranja
O vinho laranja é uma bebida menos comum entre os brasileiros, mas igualmente interessante. Neste caso, o mosto de uvas brancas permanece em contato com a casca do fruto, o que confere a textura e coloração características desse tipo de exemplar.

Qual a diferença entre vinhos tranquilos e espumantes?
A grande diferença entre os vinhos tranquilos e os vinhos espumantes é a presença ou ausência de gás carbônico na bebida.

Ao contrário dos vinhos tranquilos, que são fermentados uma única vez, os espumantes passam por uma segunda etapa de fermentação, em que são adicionadas outras leveduras e açúcar ao líquido, que é selado diretamente na garrafa — no caso dos exemplares produzidos com o método tradicional— ou em tanques de inox, no método Charmat.

Dentro dessas garrafas ou tanques, essa segunda fermentação faz com que a bebida transforme o açúcar em álcool e dióxido de carbono (gás carbônico) uma vez mais. O processo acaba por formar as borbulhas, também conhecidas como perlage.

A segunda fermentação pode ocorrer durante alguns meses ou levar anos, como no caso dos vinhos produzidos em Champagne, na França.

Além dos espumantes, é importante mencionar que os vinhos tranquilos são uma categoria à parte de outras bebidas fortificadas, como o Vinho do Porto, o Vinho Madeira e o Vinho Jerez, que contam com uma etapa de adição de aguardente vínica durante a fermentação do mosto.

Compartilhe esse Artigo
Deixe um Comentário