Qual é a diferença entre frisante e espumante?

Segundo a legislação brasileira, os frisantes contêm “de 1,1 até 2 atmosferas de pressão a 20ºC”. Já os espumantes precisam ter “uma pressão mínima de 4 atmosferas a 20ºC”. Ou seja, a diferença não está no método de produção, mas “na quantidade de borbulhas”.

» Vinho do Porto ganha classificação especial para rótulos com mais de 80 anos
No caso dos frisantes, o gás carbônico, responsável pelas borbulhas, pode ser natural – ou seja, fruto de uma segunda fermentação – ou adicionado.

Confira o que diz a legislação no Brasil:

Vinho Frisante- É o vinho com graduação alcoólica de 7 a 14% em volume, com um conteúdo de anidrido carbônico de 1,1 até 2 atmosferas de pressão a 20ºC, natural ou gaseificado.

Vinho Gaseificado – É o vinho resultante da introdução de anidrido carbônico puro por qualquer processo, devendo apresentar uma graduação alcoólica de 7 a 14% em volume e uma pressão compreendida entre 2,1 e 3,9 atmosferas a 20ºC.

Vinhos Espumantes Naturais – São os vinhos nos quais o anidrido carbônico é resultante da fermentação em recipientes fechados e com pressão mínima de 4 atmosferas a 20ºC.

Espumante ou Espumoso Natural (Champanha) – É o vinho espumante no qual o anidrido carbônico é resultante de uma segunda fermentação alcoólica do vinho na garrafa (método champenoeise/tradicional) ou em grandes recipientes (método Charmat) com uma pressão mínima de 4 atmosferas a 20ºC e uma graduação alcoólica de 10 a 13% em volume a 20ºC.

Moscato Espumante ou Moscatel Espumante – É o vinho espumante no qual o anidrido carbônico é resultante da fermentação em recipiente fechado do mosto ou mosto conservado de uva Moscatel ou Moscato, com uma pressão mínima de 4 atmosferas a 20ºC com graduação alcoólica de 7 a 10% em volume e um remanescente mínimo de açúcar natural de 20 gramas por litro.